Estudo: exercício físico regular minimiza riscos de fraturas em mulheres após a menopausa

57

Os benefícios da atividade física na vida das pessoas são inúmeros e praticamente todos os dias surgem novos estudos que evidenciam mais vantagens significativas para uma excelente qualidade de vida.

Dessa vez, um estudo da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA), revela que a prática regular de atividade física diminui os riscos de fraturas, principalmente no quadril, em mulheres após a menopausa.

A pesquisa

O estudo acompanhou 77 mil mulheres durante 14 anos e os resultados foram surpreendentes.

  • 33% das mulheres sofreram ao menos uma fratura ao longo da pesquisa.
  • As participantes que praticavam exercícios físicos de forma regular apresentaram risco 18% menor de fraturas de quadril e 6% menor de fraturas em geral.

Em entrevista ao Eu Atleta, o médico do esporte, endocrinologista e colunista do site, Guilherme Renke, explica que “o osso é vivo, sofre anabolismo (construção e formação) e catabolismo (degradação). Após a menopausa, o catabolismo é ampliado porque o organismo da mulher para de produzir o estrogênio, que é um hormônio importante para o anabolismo, que estimula a produção óssea”.

Essa falta de produção aumenta as possibilidades de desenvolver osteoporose – condição metabólica que se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea e aumento do risco de fraturas.

“A osteoporose é mais mortal do que câncer de mama para as mulheres. Cerca de 30% das fraturas de fêmur, por exemplo, levam a óbito, por serem fraturas complexas, que exigem cirurgia para colocação de prótese, internação em CTI e imobilidade. Isso leva a problemas como infecções e embolia pulmonar”, completa Guilherme Renke, em conversa com o Eu Atleta.

Mas por que a atividade física é benéfica?

O exercício estimula a produção de hormônios que ajudam na construção óssea, como o IGF-1, GH, GLP-1 e andrógenos, como testosterona, sulfato de dhea e di-hidrotestosterona.

Fonte: Eu atleta

Foto: Shutterstock

Last modified: 12 de Março de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *